top of page

Introdução SEO Técnico: O Que É E Como Chegar Ao Topo Do Google? [2023]

SEO Técnico é um conjunto de estratégias internas usadas para que os sites se destaquem nos resultados de pesquisa. Na notícia anterior abordámos o SEO On-Page e Off-Page, mas igualmente importante, está a técnica realizada á parte interna de um site, o chamado de SEO Téc­ni­co.


O objetivo da técnica SEO é melhorar o posicionamento das páginas de um site e gerar autoridade digital e tráfego orgânico, isto é, levar os utilizadores a encontrarem as páginas do seu site sem que tenha de colocar anúncios digitais pagos.


Atualmente, existem milhares de páginas a serem publicadas diariamente na internet, e é justamente isso que faz a concorrência ser tão grande para aparecer nas primeiras posições de uma pesquisa. É aí que entra o trabalho de um SEO Técnico.


• O que é SEO Técnico?

• Sitemap XML

• Diretivas dos Robôs

• Canonização

• Schema

• Sinais Vitais Web

• HTTPS

• Hreflang

• Mobile

• Conclusão


O Que É SEO Técnico?

O SEO téc­ni­co é a parte mais impor­tante do SEO e trata-se do conjunto de otimizações relacionadas à estrutura interna de um site. A intenção é que as páginas se tornem mais rápidas, compreensíveis, rastreáveis e indexáveis, ​​por forma a aumentar a probabilidade de conseguir-se um melhor posicionamento no ranking do Google. O SEO técnico é o princípio de toda a estratégia de otimização para os mecanismos de busca, pelo que deve ser uma das primeiras etapas a focar no SEO. Embora o foco do SEO técnico seja o de demonstrar aos motores de busca como o seu site se comporta, ele também tem o propósito de entregar a melhor experiência para o utilizador.


A melhor forma de se perceber os parâmetros de SEO técnico é perceber como funciona o rastreio do Googleboot:

  1. O mecan­is­mo de ras­treio cri­a uma lista de todos os URL’s que encon­tra por lig­ações dentro das pági­nas de um determinado domínio, assim como nas páginas que estejam nos sitemaps;

  2. Após fazer todo o reconhecimento, o Google vai priorizar o rastreamento de todos os novos URL’s que ainda não tinham sido rastreados antes e aqueles que precisam de ser rastreados de novo, devido a alguma alteração aos mesmos;

  3. Assim constrói-se o sis­tema que cap­tura todo o con­teú­do das páginas;

  4. A seguir esses sistemas de processamento lidam com a can­on­iza­ção;

  5. O ren­der­izador car­rega uma pági­na como um nave­g­ador faria com arquiv­os JavaScript e CSS. Isto é feito para que o Google pos­sa ver o que a maio­r­ia dos uti­lizadores verá;

  6. Por fim chega a Indexação. As pági­nas que o Google quer mostrar aos utilizadores ficam armazenadas.

Como Fazer A Indexação Correta

Colocar Sitemap XML no site


Esta é a fórmula de um Sitemap no código e que estará no header de um site:


<?xml version=”1.0″encoding=“UTF-8”?>   

<urlset xmlns=”http://www.sitemaps.org/schemas/sitemap/0.9″>              

<url>           

<loc>https://oseuwebsite.com/</loc>           

<lastmod>2019-08-21T16:12:20+03:00</lastmod>              

</url>          

<url>                           

<lastmod>2019-07-31T07:56:12+03:00</lastmod>              

</url></urlset>


Mas alguns sitemaps podem ser gerados automaticamente para o site através de plugins, no WordPress pode utilizar o “Yoast SEO” ou “Rank Math”, apenas têm de seguir os passos. Outro sistema onde poderá criar um sitemap não tendo um CMS é no software gratuito “Screaming Frog”, também muito útil para ver outros parâmetros de SEO técnico.


Após criado o Sitemap, este terá de ir para o Google. No Google Search Console vai estar numa aba, o dito “Sitemap”, aqui terá de adicionar/submeter o URL do seu Sitemap. O Google irá processar e entregar a mensagem de que foi um “sucesso”. No Google Search Console poderá colocar vários Sitemaps do mesmo website, aliás se um site for muito extenso (por exemplo o E-commerce), convém estarem vários Sitemaps listados por Categorias, Posts, Páginas, etc, e não apenas um único index do Sitemap geral.


Diretivas Dos Robots

O Robots.txt é um arquivo de texto guardado na raiz do website para controlar e instruir os robôs de busca a lidarem com a indexação dos respectivos websites. No Hearder de cada página do site é possível colocar uma robots meta tag, que é um “pedaço” de HTML que infor­ma os motores de busca de como ras­trear ou indexar uma deter­mi­na­da pági­na:


<meta name=”robots”

content=”noindex”/>


Já no Robots.txt é possível definir algumas diretivas de indexação no seu site em geral. Para o efeito existe a diretiva “Allow” que informa os robôs de busca sobre o que eles podem indexar no website. O código abaixo indica que permite que os arquivos “JavaScript” e “CSS” sejam indexados e analisados:


Allow: .js

Allow: .css


Também é possível definir o comando “User-Agent” que determina qual é o robô de busca a que se dirige, por exemplo, o “Googleboot”:


User-agent: Googleboot


Adicionalmente, existe o comando “Disallow”, que serve para impedir que uma página seja visualizada ou indexada pelos robôs de busca, neste caso a “Beta.php” e os ”Arquivos”:


Disallow: /beta.phpDisallow: /arquivos/


Por fim, existe a diretiva de indicação do “sitemap do website”, muito útil para auxiliar os robôs de busca a identificarem todas as páginas existentes no domínio. Hoje em dia esta diretiva está em desuso devido às “Google Webmaster Tools” que auxiliam neste tema de uma forma mais eficaz.



Canonização

Normalmente um domínio pode ser acedido através de múltiplas combinações de  URL’s. Isto permite que o utilizador possa aceder ao site de formas diferentes dentro do mesmo domínio, por exemplo:



Contudo, quando existem várias ver­sões da mes­ma pági­na, o Google sele­cionará apenas uma para armazenar no seu index. Este proces­so é chama­do de can­on­iza­ção e o URL sele­ciona­do como canóni­co será aque­le que o Google mostrará nos resul­ta­dos da pesquisa. Exis­tem muitos sinais difer­entes usados para sele­cionar o URL canóni­co, incluindo:

– Tags canóni­cas;

– Pági­nas duplicadas;

– Lig­ações internas;

– Redi­re­ciona­men­tos;

– URLs de Sitemaps.

 

A for­ma mais fácil de ver como o Google index­ou uma pági­na é usar a fer­ra­men­ta de inspeção de URL’s no “Google Search Con­sole”. Este mostrará o URL canóni­co sele­ciona­do pela Google.




Schema

A Notação Schema é um códi­go HTML colocado nas páginas do site que aju­da os motores de busca a enten­derem mel­hor o seu con­teú­do. Schema é um vocabulário de dados estruturados que define entidades, ações e relacionamentos na Internet. Esse vocabulário possibilita que os mecanismos de busca compreendam os significados por detrás dos assuntos na web e, por sua vez, proporcionem uma melhor experiência para o utilizador.


O Google tem uma gale­ria de pesquisa que mostra os vários recur­sos de pesquisa e o Schema necessário para que o seu web­site se qualifique: https://schema.org/docs/gs.html.




Sinais Vitais Web

Os Sinais Vitais Web (Core Web Vitals) são as métri­c­as de veloci­dade, uti­liza­das ​​para medir a exper­iên­cia do uti­lizador nas páginas do site. As métri­c­as medem o car­rega­men­to com:


Largest Con­tent­ful Paint (LCP): este deve ocorrer dentro de 2,5 segundos após o início do carregamento da página;

Esta­bil­i­dade visu­al com Cumu­la­tive Lay­out Shift (CLS): as páginas devem manter um CLS de 0.1. ou menos;

Inter­a­tivi­dade com First Input Delay (FID): as páginas devem ter um FID de 100 milissegundos ou menos.

Think With Google constatou que um carregamento até 5 segundos aumenta 90% a probabilidade do utilizador desistir da visita ao website. Os core Web Vitals podem ser vistos em tempo real, monitorizados e resolvidos através do “PageSpeed Insights”. 


HTTPS

HTTPS significa “protocolo de transferência de hipertexto seguro” (hypertext transfer protocol secure) e é a versão criptografada do HTTP. O HTTPS pro­tege a comu­ni­cação entre o seu brows­er e o servi­dor de ser inter­c­eta­da e adul­ter­a­da por inva­sores. O HTTPS usa um certificado seguro de um fornecedor terceirizado para proteger uma conexão e verificar se o site é legítimo. Esse certificado seguro é conhecido como Certificado SSL. Qual­quer site que mostre um ícone de cadea­do na bar­ra de endereço uti­liza HTTPS. Já o TLS “transport layer security” ajuda a criptografar o HTTPS no uso de proteção de e-mails e outros protocolos. Com o HTTPS, dados de cartão de crédito, senhas, dados de utilizadores privados e dados pessoais são criptografados com uma forte camada de segurança.


Na passagem de HTTP para HTTPS é preciso informar ao Google sobre essa transição, começando por configurar o Google Search Console, o Google Analytics, atualizar links internos e atualizar todas as URLs relativas. Primeiro têm de abrir uma nova configuração HTTPS no Google Search Console, mas não faça ainda a eliminação da anterior, até ter a certeza de que tudo foi migrado como deve de ser. Neste momento têm duas possibilidades, mudar os URL’s manualmente implementando o redirecionamento 301 desses URL’s ou mudar os URL’s pelo servidor, ou utilizar algum plugin que fará a atualização dos URL’s instantaneamente, mas é aconselhado verificar se esta transição foi bem feita. No fundo existem muitas maneiras de fazer este redirecionamento, cada SEO têm de definir qual é a melhor condição para a sua situação. Por fim, o Google Analytics deve dar o ok de como o novo domínio é e está seguro, para receber os dados corretos dos novos URL’s. Certifique-se que escolhe o melhor certificado SSL, implemente-o e está feito o processo.


Hreflang

Com o avanço da globalização, os sites necessitam cada vez mais de múltiplas linguagens. Isso deve-se ao fato de que as pessoas de todo o mundo podem ter interesse nos seus produtos ou serviços, pelo que cada idioma deve ter o seu próprio conteúdo. O principal cuidado que os técnicos de SEO devem ter num projeto multilingue é as relações “de – para”, por exemplo, tenho uma página sobre “SEO Global PT” e quero que, quando o utilizador clique na bandeira inglesa, esta reencaminhe diretamente para a página “Global SEO EN”, sem que este tenha de voltar à homepage de novo, e só depois para a página em questão. Fazer esta proeza torna-se possível através das hreflang.


Hre­flang é um atrib­u­to HTML uti­liza­do para especi­ficar o idioma e a seg­men­tação geográ­fi­ca de uma pági­na da web. A tag hre­flang infor­ma os motores de busca, como o Google, sobre essas vari­ações. Se estiver no wordpress também poderá utilizar diversos plugins que fazem esta conversão, o plugin “WPML” é uma boa solução, pois permite estabelecer a ligação “de – para”, mas possibilita a edição manual do conteúdo por parte do técnico/administrador. Caso pretenda adicionar as hreflangs manualmente é necessário colocá-las no código do cabeçalho, nas tags <head> com esta estrutura:


<link rel=”alternate”href=”http://dominio.com/“hreflang=”pt”/>

<link rel=”alternate”href=”http://dominio.com/fr/“hreflang=”fr”/>

<link rel=”alternate”href=”http://dominio.com/en/“hreflang=”en”/>


Compatibilidade Com Os Navegadores 

Ao criar um site é preciso considerar a variabilidade de navegadores que existem atualmente (Chrome, Edge, Firefox, Safari, etc.). Enquanto alguns utilizadores recorrem a browsers modernos, muitos ainda utilizam o Internet Explorer como padrão para as suas navegações. Além disso, cada navegador faz uma leitura diferente dos sites, o que pode prejudicar a visualização de alguns destes. Por isso, os técnicos de SEO devem considerar as limitações de cada browser, saber onde está o seu público-alvo e fazer uma auditoria de SEO para verificar a compatibilidade do domínio em cada navegador.


Otimização Para Mobile

Hoje em dia é mais comum um utilizador aceder a sites através do telemóvel e não pelo desktop do computador, por isso a parametrização do Google mudou e priorizou sites que tenham uma boa navegação mobile. Contudo, os websites ainda são desenvolvidos, primeiramente, para desktop, e só depois para mobile. Uma forma de agilizar o trabalho no desenvolvimento da navegação mobile e ajudar o algoritmo do Google a reconhecer automaticamente a responsividade das páginas do site, e colocar a tag “viewport” no cabeçalho do código HTML do site. Esta marcação orienta o navegador sobre como ele deve ajustar as dimensões e a escala da página conforme a largura do dispositivo.


Se considerarmos um site WordPress ou Wix, estes já vem preparados para entregar páginas responsivas automaticamente. No caso do wordpress o “Elementor” (tipo de estrutura de criação de páginas) é o mais indicado para se criar páginas user-friendly. O SEO técnico deverá ajustar os códigos HTML, CSS e JavaScript das suas páginas para os parâmetros mobile estarem de acordo com os tamanhos certos e percetíveis. 

 

Para saber se o seu site está automatizado para mobile, deverá ir ao relatório do Google Search Console –  “Usabil­i­dade em dis­pos­i­tivos móveis” e verificar se algumas páginas têm alguns problemas. No caso de haver problemas, o Google Search Console irá reportar como deve ser mediada a resolução dos mesmos.


6 Ferramentas De SEO Técnico Que Pode Utilizar




 

Conclusão

Existe muito mais por explorar no mundo do SEO, todos os elementos descritos são uma combinação de SEO que fará com que o Google reconheça o seu site, mas existem muitos mais métodos e combinações. Conheça outras estratégias de SEO técnico aqui. 


Atualmente, muitas empresas precisam de resultados imediatos, mas a verdade é que não podem dar-se ao luxo de implementar SEO internamente enquanto alavancam com a prioridade do foco do seu negócio.  Se ainda não consegue dar conta destas etapas ou não tiver tempo para as colocar em prática, a Bringlink SEO garante que tenha a visibilidade e o crescimento da marca que merece.


Fale connosco, envie email para a bringlinkseo@gmail.com.



 

Referências


Ahrefs – Ferramentas SEO & Recursos para Crescer o Seu Tráfego. https://ahrefs.com/pt


Semrush – Marketing online pode ser fácil. https://pt.semrush.com/


Rock Content – Content Experiences your audience will love. https://rockcontent.com/


Resultados Digitais – Seu Portal de Marketing e Vendas. https://resultadosdigitais.com.br/


Marco Gouveia – Consultor de Marketing Digital? Marco Gouveia. https://www.marcogouveia.pt/


Oficina da Net – Site de tecnologia, smartphones, notebooks. https://www.oficinadanet.com.br/


SEO Fórum - SEO, ASO | Tráfego Pago, Markegint e Tutoriais. https://seoforum.com.br/


Agência Mestre – Marketing Digital: SEO, Inbound Marketing, Adowrds. https://www.agenciamestre.com/


Kinsta – Hospedagem WordPress Gerenciada Premium. https://kinsta.com/pt/


KingHost – Hospedagem de Sites Ltda. Wiki hospedagem de sites. https://king.host/wiki/


Pedro Dias – Consultor em Otimização e Marketing Digital. https://www.pedrodias.net/


Hubify – Agência de Marketing Digital de Performance. https://hubify.com.br/

bottom of page